Categorias
Proteção de dados

Padrões Regulatórios Impulsionam a Proteção de Dados

Você já parou para pensar na quantidade de dados que sua empresa coleta, armazena e processa todos os dias? Informações sensíveis que, se caírem nas mãos erradas, podem causar danos irreparáveis. É aqui que os padrões regulatórios entram em cena, não apenas como uma exigência legal, mas como um catalisador para a proteção de dados eficaz.

A proteção aos dados pessoais é um tema que têm se expandido para espaços cada vez maiores. Esse tema é debatido por legisladores, membros do judiciário, profissionais especializados e setores responsáveis pelos padrões regulatórios .

Padrões regulatórios surgem para acompanhar a demanda cada vez maior de proteção e privacidade de nossas informações e não é a toa que empresas de diferentes setores precisam atender a tais requisitos.

Como Padrões Regulatórios Beneficiam Empresas e Clientes

O cumprimento de padrões regulatórios não é apenas uma necessidade legal, mas também uma estratégia vantajosa que traz benefícios tangíveis tanto para as empresas quanto para os clientes.

Benefícios Para a Empresa

1. Redução de Riscos: Cumprir padrões regulatórios minimiza a vulnerabilidade a violações de dados e, consequentemente, reduz o risco de multas e ações judiciais.

2. Confiança do Cliente: Quando os clientes sabem que sua empresa segue padrões rigorosos de proteção de dados, a confiança e a lealdade são fortalecidas.

3. Vantagem Competitiva: Empresas que aderem a padrões regulatórios frequentemente se destacam em um mercado saturado, tornando-se mais atraentes para consumidores conscientes sobre segurança.

4. Expansão de Mercado: Certificações como a ISO 27001 podem ser um pré-requisito para fazer negócios em certos mercados ou indústrias, abrindo novas oportunidades de crescimento.

Benefícios Para os Clientes
  • Segurança de Dados: Os clientes podem fazer negócios com a certeza de que suas informações estão sendo tratadas de forma segura e ética.
  • Transparência: Padrões como a LGPD exigem que as empresas sejam transparentes sobre como os dados são usados, dando aos clientes mais controle sobre suas próprias informações.
  • Qualidade de Serviço: Empresas que seguem padrões regulatórios geralmente têm melhores práticas de gestão, o que frequentemente resulta em um serviço mais eficiente e confiável.
  • Paz de Espírito: Saber que uma empresa segue padrões rigorosos de segurança da informação oferece aos clientes uma paz de espírito que não tem preço.

Na prática, o cumprimento de padrões regulatórios cria um ambiente onde tanto empresas quanto clientes saem ganhando.

Para as empresas, é uma forma de mitigar riscos e fortalecer a marca. Para os clientes, é uma garantia de que seus dados estão em mãos seguras.

Portanto, aderir a esses padrões não é apenas uma obrigação, mas uma estratégia inteligente para qualquer negócio que valorize a proteção de dados.

Principais Padrões Regulatórios e Requisitos de Negócio

Atualmente existem diversos padrões regulatórios/legislações ao redor do mundo que exigem a proteção de dados. Podemos destacar aqui no Brasil os principais padrões regulatórios da indústria em diferentes setores:

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – O Pilar da Proteção de Dados no Brasil

A LGPD é uma legislação brasileira que estabelece diretrizes claras sobre como os dados pessoais devem ser tratados. Ignorar essas regras não resulta apenas em pesadas multas, mas também em uma perda significativa de confiança do cliente.

Ao atender aos requisitos da LGPD, sua empresa não apenas cumpre a lei, mas também adota práticas de proteção de dados que são reconhecidas globalmente.

PCI-DSS – O Guardião dos Dados de Cartão de Crédito

O Padrão de Segurança de Dados para a Indústria de Cartões de Pagamento (PCI-DSS) é um conjunto de requisitos de segurança que qualquer empresa que lida com informações de cartão de crédito deve seguir.

Ao cumprir os padrões PCI-DSS, você não apenas evita multas pesadas, mas também ganha uma vantagem competitiva, já que os consumidores tendem a confiar mais em empresas que protegem seus dados financeiros.

ISO 27001 – O Selo de Ouro em Segurança da Informação

A ISO 27001 é uma norma internacional que especifica os requisitos para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI). Ela é amplamente reconhecida como o padrão de ouro em segurança da informação.

Além de fornecer um framework robusto para a proteção de dados, a certificação ISO 27001 também pode abrir portas para novos negócios e parcerias, já que muitas organizações exigem essa certificação como parte de seus critérios de seleção.

Esses são apenas alguns exemplos de padrões regulatórios que estão aumentando a busca pela proteção de dados. Com os ativos dados corporativos aumentando, empresas cada vez mais criam estratégias para preservar dados de clientes e produtos.

Por exemplo: imagine se os dados dos clientes vazassem para a concorrência. Isso afetaria a organização e os clientes, resultando em perda financeira, perda de confiança, ações judiciais, assim como vários outros problemas.

Acelerando a conformidade com a LGPD
 

O que fazer para proteger os dados?

Jaime Muñoz, diretor para América Latina da Boldon James, afirma que é necessário ter em mente vários fatores que contribuem para se garantir a proteção dos dados.

Além disso, deve-se colocar em prática os mecanismos e processos que podem garantir conhecer o nível de sensibilidade de uma informação, seu grau de confidencialidade e como ela poderá transitar dentro e fora da companhia.

“O mercado brasileiro vem se destacando na estratégia de expansão mundial da companhia com clientes multinacionais com forte presença no Brasil e que conseguiram elevar a sua capacidade de proteção dos dados em um cenário global de explosão do Big Data e de forte ameaça volátil constante.

As organizações buscam proteger suas informações críticas, sendo que um dos maiores riscos é a perda acidental de dados dentro da própria organização”, explica Munõz.

Por fim, padrões regulatórios impulsionam as empresas a adotarem políticas de proteção dos dados de seus clientes.

Os administradores da segurança de dados devem debater com seus colegas os meios de colocá-la em prática, afinal nem sempre é trivial ou mesmo fácil implementar os requisitos desses padrões.

Certamente, as novas tecnologias disponíveis, processos e pessoas são elementos chave neste processo.

Padrões Regulatórios Como Um Investimento Estratégico

Em resumo, os padrões regulatórios não são apenas um custo de fazer negócios; eles são um investimento estratégico.

Ao adotar essas normas, sua empresa não apenas minimiza riscos, mas também ganha a confiança dos clientes e parceiros, o que é inestimável em um mercado cada vez mais competitivo.

Não espere até que seja tarde demais. Invista em padrões regulatórios e faça da proteção de dados uma prioridade agora.

Sobre a Eval 

A Eval está há mais de 18 anos desenvolvendo projetos nos segmentos financeiro, saúde, educação e indústria. Desde 2004, oferecemos soluções de Autenticação, Assinatura Eletrônica e Digital e Proteção de Dados. Atualmente, estamos presentes nos principais bancos brasileiros, instituições de saúde, escolas e universidades, além de diferentes indústrias.  

Com valor reconhecido pelo mercado, as soluções e serviços da Eval atendem aos mais altos padrões regulatórios das organizações públicas e privadas, tais como o SBIS, ITI, PCI DSS, e a LGPD. Na prática, promovemos a segurança da informação e o compliance, o aumento da eficiência operacional das empresas, além da redução de custos.  

Inove agora, lidere sempre: conheça as soluções e serviços da Eval e leve sua empresa para o próximo nível.  

Eval, segurança é valor. 

Categorias
Assinatura Eletrônica

Assinatura eletrônica ou manual qual é mais segura?

De acordo com nossa legislação, a validade de um contrato requer agente capaz, negócio lícito e observar se há forma prescrita em lei. Em outras palavras, as partes, ao celebrarem um contrato, devem ser responsáveis perante a lei. Outro ponto importante é que o objeto a ser tratado não pode ser ilegal. O cumprimento destes requisitos atende as exigências para existência de um contrato. Mas afinal, e quanto à assinatura?

Uma questão muito importante relacionada a um contrato é sua integridade e autenticidade, seja ele formalizado em papel ou meio eletrônico. Dessa forma surge a necessidade da assinatura, o ato que compreende a capacidade de imputar autoria ao documento. No papel, apor um símbolo gráfico tem o objetivo de identificar e conferir autenticidade ao contrato. Contudo, somente a assinatura é capaz de garantir a integridade? Neste caso, mecanismos como identificação visual (rasuras) são utilizados em conjunto com a assinatura manuscrita para aferir integridade ao contrato.

Meios eletrônicos para formalização de contratos

Alguns países, inclusive o Brasil, adotam o meio eletrônico para formalização de contratos, porém sem adotar a assinatura digital. Neste caso, é utilizada a assinatura eletrônica (Leia Assinatura digital, assinatura eletrônica e certificado digital, qual a diferença?). Muitos mecanismos podem ser classificados como assinatura eletrônica, como uma senha ou ainda o clique no “Li e concordo”. Há também casos onde uma imagem da assinatura manuscrita (GIF) é aposta sobre o documento eletrônico, sem utilização de criptografia.

A tabela a seguir contém as principais características de uma assinatura e compara o grau de dificuldade de violação, ou seja, de falsificação.

*Assinatura Eletrônica (Senha ou imagem)

De acordo com a tabela comparativa, o grau de dificuldade de falsificação de uma assinatura digital é elevadíssimo se comparado com a assinatura manuscrita. Mesmo quando comparada com assinatura eletrônica, a assinatura digital é muito mais segura. Afinal, a assinatura digital utiliza criptografia e chaves que garantem um elevado nível de precisão a autenticidade do documento assinado com ela. Este é o requisito mais importante para existência e validade jurídica de um contrato. Além disso, a assinatura digital é capaz de garantir a integridade do documento, característica que assinatura manuscrita ou somente eletrônica não atendem isoladamente.

6 benefícios mais importantes da assinatura digital

Legislação para assinatura digital

Diante da segurança apresentada pela assinatura digital, é natural que existam leis apoiadas nesta tecnologia para permitir que contratos sejam celebrados eletronicamente. O Brasil possui uma legislação específica desde 2001, que instituiu a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) e equiparou a assinatura digital à assinatura de próprio punho (o art.10, § 1º, da Medida Provisória 2.200-2 de 24 de agosto de 2001.

Dessa forma, a assinatura digital é usada para ajudar na autenticação da identidade do criador das informações digitais, como documentos, emails e macros usando algoritmos criptográficos, para fazer uma assinatura digital, é necessário ter um certificado digital e um software de assinatura digital.

Separamos alguns exemplos e referências que utilizam assinatura digital como padrão:

Por fim, também há uma lista de serviços públicos que utilizam certificado digital e assinatura digital, essa lista está disponível no site do ITI, http://www.iti.gov.br/certificado-digital/cases.

Sobre a Eval 

A EVAL está há mais de 18 anos desenvolvendo projetos nos segmentos financeiro, saúde, educação e indústria. Desde 2004, oferecemos soluções de Autenticação, Assinatura Eletrônica e Digital e Proteção de Dados. Atualmente, estamos presentes nos principais bancos brasileiros, instituições de saúde, escolas e universidades, além de diferentes indústrias. 

Com valor reconhecido pelo mercado, as soluções e serviços da EVAL atendem aos mais altos padrões regulatórios das organizações públicas e privadas, tais como o SBIS, ITI, PCI DSS, e a LGPD. Na prática, promovemos a segurança da informação e o compliance, o aumento da eficiência operacional das empresas, além da redução de custos. 

Inove agora, lidere sempre: conheça as soluções e serviços da Eval e leve sua empresa para o próximo nível. 

Eval, segurança é valor. 

Categorias
Assinatura Digital

Qual o tipo de assinatura é mais segura? Qual o tipo de assinatura é mais seguro? Assinatura digital, eletrônica ou manual?

De acordo com nossa legislação, a validade de um contrato requer agente capaz, negócio lícito e observar se há forma prescrita em lei. Em outras palavras, as partes, ao celebrarem um contrato, devem ser responsáveis perante a lei.

Outro ponto importante é que o objeto a ser tratado não pode ser ilegal. O cumprimento destes requisitos atende as exigências para existência de um contrato.

Mas afinal, e quanto à assinatura?

Uma questão muito importante relacionada a um contrato é sua integridade e autenticidade, seja ele formalizado em papel ou meio eletrônico.

Dessa forma surge a necessidade da assinatura, o ato que compreende a capacidade de imputar autoria ao documento. No papel, por um símbolo gráfico tem o objetivo de identificar e conferir autenticidade ao contrato.

Contudo, somente a assinatura é capaz de garantir a integridade.

Neste caso, mecanismos como identificação visual (rasuras) são utilizados em conjunto com a assinatura manuscrita para aferir integridade ao contrato.

Meios eletrônicos para formalização de contratos

Alguns países, inclusive o Brasil, adotam o meio eletrônico para formalização de contratos, porém sem adotar a assinatura digital. Neste caso, é utilizada a assinatura eletrônica (Leia Assinatura digital, assinatura eletrônica e certificado digital, qual a diferença?).

Muitos mecanismos podem ser classificados como assinatura eletrônica, como uma senha ou ainda o clique no “Li e concordo”. Há também casos onde uma imagem da assinatura manuscrita (GIF) é aposta sobre o documento eletrônico, sem utilização de criptografia.

A tabela a seguir contém as principais características de uma assinatura e compara o grau de dificuldade de violação, ou seja, de falsificação.

*Assinatura Eletrônica (Senha ou imagem)

De acordo com a tabela comparativa, o grau de dificuldade de falsificação de uma assinatura digital é elevadíssimo se comparado com a assinatura manuscrita.

Mesmo quando comparada com assinatura eletrônica, a assinatura digital é muito mais segura. Afinal, a assinatura digital utiliza criptografia e chaves que garantem um elevado nível de precisão a autenticidade do documento assinado com ela.

Este é o requisito mais importante para existência e validade jurídica de um contrato. Além disso, a assinatura digital é capaz de garantir a integridade do documento, característica que assinatura manuscrita ou somente eletrônica não atendem isoladamente.

benefícios mais importantes da assinatura digital
 

Legislação para assinatura digital

Diante da segurança apresentada pela assinatura digital, é natural que existam leis apoiadas nesta tecnologia para permitir que contratos sejam celebrados eletronicamente.

O Brasil possui uma legislação específica desde 2001, que instituiu a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) e equiparou a assinatura digital à assinatura de próprio punho (o art.10, § 1º, da Medida Provisória 2.200-2 de 24 de agosto de 2001.

Dessa forma, a assinatura digital é usada para ajudar na autenticação da identidade do criador das informações digitais, como documentos, e-mails e macros usando algoritmos criptográficos, para fazer uma assinatura digital, é necessário ter um certificado digital e um software de assinatura digital.

Separamos alguns exemplos e referências que utilizam assinatura digital como padrão:

Por fim, também há uma lista de serviços públicos que utilizam certificado digital e assinatura digital, essa lista está disponível no site do ITI, http://www.iti.gov.br/certificado-digital/cases.

Sobre a Eval

A EVAL está há mais de 18 anos desenvolvendo projetos nos segmentos financeiro, saúde, educação e indústria. Desde 2004, oferecemos soluções de Autenticação, Assinatura Eletrônica e Digital e Proteção de Dados. Atualmente, estamos presentes nos principais bancos brasileiros, instituições de saúde, escolas e universidades, além de diferentes indústrias. 

Com valor reconhecido pelo mercado, as soluções e serviços da EVAL atendem aos mais altos padrões regulatórios das organizações públicas e privadas, tais como o SBIS, ITI, PCI DSS, e a LGPD. Na prática, promovemos a segurança da informação e o compliance, o aumento da eficiência operacional das empresas, além da redução de custos. 

Inove agora, lidere sempre: conheça as soluções e serviços da Eval e leve sua empresa para o próximo nível. 

Eval, segurança é valor.